A inovação do chá

Esperamos inovação em quase todos os segmentos alimentares. Por isso, não deixa de surpreender o conceito empregado no tradicional segmento dos chás. Conheça agora os chás marinhos.

Leia mais:

Preferências do futuro – Heinz investe em comida disruptiva
Repensando os snacks – Veja os lançamentos de laboratório de inovações

Tomamos chá desde o ano 2737 antes de Cristo.

Foi quando o imperador chinês Shen Nung pediu para beber água fervida.

No caminho, caíram no bule algumas folhas de Camellia sinensis.

Com o processo de infusão, surgiu a bebida.

Desde então e até hoje, desta planta são feitos os chás preto, verde, branco e oolong.

Como inovar em um segmento tão consolidado?

A marca japonesa Ocean Tea Bag conseguiu.

Seus chás vêm em embalagens na forma de criaturas marinhas.

São tubarões, arraias, isópodes, águas vivas e até mergulhadores.

Os saquinhos são biodegradáveis, o que mostra coerência com o tema.

Mas há algo a mais que o design criativo: os sabores.

Como, por exemplo, o Sea Cucumber, um blend de jasmim e pó de pepino do mar seco.

Sim, pepino do mar, um parente do cavalo marinho na forma de pepino.

Na China, e em vários outros países do Oriente, é considerado uma fina iguaria.

Ainda, os pepinos do mar contêm grandes quantidades de compostos anti-inflamatórios.

O resultado final, característica da marca, é um chá com sabor marinho levemente iodado.

Outro sabor vem no saquinho na forma de isópodes, uma espécie de crustáceo.

É o Oriental Beauty, feito de folhas de chá mastigadas por insetos fulgoromorfos de dorso branco.

Aparentemente, isso produz um aroma único e oferece um gosto exótico e original.

A marca não é vendida no Brasil.