Alimentos que combatem a inflamação

Os médicos estão aprendendo que uma das melhores maneiras de reduzir a inflamação não está nos remédios, mas na geladeira. Alimentando-se, você pode combater a inflamação para sempre.

Leia mais:

Dieta viking – A comida pode estimular o organismo a perder peso
Meu método – Tudo que aprendi sobre emagrecer e viver bem

O sistema imunológico compreende estruturas e processos biológicos que protegem o organismo contra doenças.

E é ativado quando o corpo reconhece a presença de qualquer coisa estranha – como um micróbio invasor, pólen de planta ou produto químico.

Isso desencadeia um processo chamado inflamação.

Geralmente, nossa imunidade nos protege destas ameaças.

No entanto, às vezes a inflamação persiste, tornando-se crônica.

Uma das ferramentas mais poderosas para combater o problema não vem da farmácia, mas do supermercado.

“Muitos estudos experimentais mostraram que componentes de alimentos ou bebidas podem ter efeitos anti-inflamatórios”.

A declaração é do Dr. Frank Hu, professor de nutrição e epidemiologia da Harvard School of Public Health.

Escolher os alimentos certos pode reduzir o risco, sendo que o contrário também acontece.

Por isso, é melhor evitar ou limitar os alimentos que causam inflamação, entre eles carboidratos refinados (como pão branco e doces), batatas fritas e outros alimentos fritos, refrigerante e outras bebidas açucaradas.

E também carne vermelha (hambúrgueres, bifes) e carne processada (cachorro-quente, salsicha), margarina, gordura e banha de porco.

Não por acaso, os mesmos alimentos em uma dieta de inflamação são geralmente considerados ruins para a nossa saúde.

“Alguns dos alimentos que foram associados a um risco aumentado de doenças crônicas, como diabetes tipo 2 e doenças cardíacas, também estão associados ao excesso de inflamação”, diz o Dr. Hu.

Alimentos não saudáveis também contribuem para o ganho de peso que, por si só, já é um fator de risco para inflamação.

No entanto, em vários estudos, mesmo depois que os pesquisadores levaram em conta a obesidade, o vínculo entre alimentos e inflamação permaneceu.

O que sugere que o ganho de peso não é o único fator.

“Alguns componentes ou ingredientes alimentares podem ter efeitos independentes na inflamação além do aumento da ingestão calórica”, diz Hu.

Por outro lado, existem bebidas e alimentos que reduzem a inflamação e, com ela, doenças crônicas.

Em particular, frutas e vegetais, como mirtilos, maçãs e verduras, ricos em antioxidantes e polifenóis naturais – compostos protetores encontrados nas plantas.

Estudos também associaram as nozes com marcadores reduzidos de inflamação e um menor risco de doenças cardiovasculares e diabetes.

O café, que contém polifenóis e outros compostos anti-inflamatórios, também pode proteger contra a inflamação.

Como regra, para reduzir os níveis de inflamação, procure uma dieta saudável em geral.

Se você está procurando um plano alimentar que siga de perto os princípios da alimentação anti-inflamatória, considere a dieta mediterrânea, que é rica em frutas, vegetais, nozes, grãos integrais, peixe e óleos saudáveis.

Além de diminuir a inflamação, uma dieta mais natural e menos processada pode ter efeitos visíveis na sua saúde física e emocional.

“Uma dieta saudável é benéfica não apenas para reduzir o risco de doenças crônicas, mas também para melhorar o humor e a qualidade de vida em geral”, diz o Dr. Hu.

Além da mediterrânea, você pode também seguir a dieta viking – saiba mais aqui.

Tags: , , ,