A solidão dos conectados

solidao

Sentimentos de isolamento aumentam na medida em que as pessoas ficam mais dependentes das redes sociais. Segundo nova pesquisa, uma em cada oito pessoas não tem amigos íntimos.

Leia mais:

Qual o segredo de Olga – Nunca é tarde para começar
A felicidade emagrece – Contrariada? Quem sofre é a balança

Seja nas redes sociais ou no WhatsApp, temos todo mundo acessível na ponta dos dedos.

Mas, se precisar, com quantas destas pessoas você pode realmente contar?

Alguns especialistas já identificaram que vivemos uma epidemia de solidão.

Agora, um novo estudo reforça o alerta, ao retratar a situação no Reino Unido.

O relatório foi feito pela ONG Relationships Scotland, após entrevistas com mais de cinco mil pessoas.

Nele descobrimos que quase sete milhões de pessoas naquele país (13%) não têm ninguém que chamariam de amigo íntimo.

E quase um em cada seis (17%) disse que nunca (5%) ou raramente (12%) se sentiam amados.

O número mais comunicado de amigos próximos é de dois ou três (18% em ambos os casos).

Raros 6% têm mais de 10.

As pessoas sem amigos próximos são duas vezes e meia mais propensas à depressão.

Isso acontece muitas vezes ou o tempo todo (31%).

Para quem tem quatro ou mais amigos mais chegados, isso acontece durante 13% do tempo.

Um dado curioso é como as percepções enganam.

São os mais jovens que se sentem mais sós (65%), pelo menos parte do dia.

Mas quase um terço (32%) se sente assim o tempo todo.

Entre os mais velhos (65 anos ou mais), 32% declarou sentir-se solitário algumas vezes – 11% sente isso o tempo todo.

Paradoxalmente, a causa desta crise pode ser o aumento da dependência das redes sociais.

Para reduzir o círculo de amizades, somam-se as instabilidades da vida e do trabalho e as pressões para criar os filhos.

“Muitas vezes nos é dito que devemos ser capazes de contar os nossos verdadeiros amigos”.

A declaração é do diretor da ONG, Chris Sherwood.

“Por isso é preocupante que tantos sintam não ter um único amigo em quem confiar”.

Fazer amigos e mantê-los nem sempre é fácil.

Cultivar laços demanda tempo e esforço que nem sempre dispomos.

O que nos faz pensar.

Certamente seu número de amigos nas redes sociais é alto.

Mas qual é a qualidade dessas amizades?

Reflita.

Afinal, as relações sociais são essenciais para a nossa saúde e bem-estar.

Precisamos de apoio, para um dia sermos capazes de estar lá quando mais precisarem.

Se quiser aprofundar-se no tema, encontrei uma palestra do especialista citado.

Veja a seguir o painel apresentado por Chris Sherwood no TEDx University of York.

Com propriedade, ela fala sobre “Relacionamentos saudáveis na era digital”.

O áudio original é em inglês, mas legendas podem ser acionadas quando disponíveis.

Tags: , , ,