Veja qual óleo sabota a dieta

veja-qual-oleo-sabota-a-dieta

As escolhas alimentares determinam muito em nossas vidas. Mas não se imaginava que ingredientes do processo de preparo pudessem influenciar tanto assim. Estudo revela qual óleo usado na cozinha sabota os esforços para emagrecer.

Leia mais:

Creme de leite light e caseiro – “Emagreça” você mesma este valioso ingrediente
Picolé de iogurte e frutas – Faça em casa picolés mais nutritivos e saudáveis

Oliva, milho, soja, canola, semente de girassol, semente de uva, amendoim.

A lista dos óleos culinários é extensa e não termina por aqui.

Como cada tipo tem uma composição distinta e o nosso organismo necessita de todas as gorduras.

Por isso, o ideal seria alternar o seu consumo.

Mas acabamos por eleger um favorito e com ele seguimos a vida toda.

Pois esta escolha pode estar sabotando seus esforços em emagrecer.

E ainda colocando sua saúde em risco.

O alerta vem de um novo estudo feito pela Universidade da Colúmbia Britânica (Canadá).

Um alto consumo de ácidos graxos poli-insaturados ômega 6 (PUFA, na sigla em inglês) pode levar a um comportamento sedentário.

Especialmente em mulheres.

Mas não de ácidos graxos monoinsaturados ômega 9 (MUFA).

Para chegar a esta conclusão, foram analisados dados de 21 países europeus.

Foram focados especificamente dados relativos a pré-adolescentes.

Uma segunda análise focou nos níveis de glicose no sangue de mulheres adultas.

Foram acrescentados filtros como a quantidade de tempo vendo TV por semana, PIB per capita, urbanização e até latitude.

Como resultado, o estudo apresenta evidências que o PUFA está fortemente associado ao sedentarismo entre meninas pré-adolescentes.

E fracamente associado com diabetes entre mulheres adultas em toda a Europa.

“Por muito tempo, os problemas cardiovasculares foram relacionados ao consumo de gordura saturada”.

A declaração é do autor do estudo, Dr. Sanjoy Ghosh.

“Por este motivo, a indústria passou a trocar os ácidos graxos saturados da maioria dos alimentos processados”.

Basicamente, de todos os snacks.

Batatas fritas, barras de cereais, biscoitos e hambúrgueres passaram a usar óleos como milho, girassol, soja e margarina – todos ricos em MUFAs e PUFAs.

Tamanha exposição pode estar diretamente relacionada ao aumento da obesidade nos centros urbanos.

Quer prestar atenção nos rótulos?

Os ácidos graxos PUFA estão em óleos de milho, soja e girassol.

Teoricamente sem contra-indicação estão os ácidos graxos MUFA.

Eles estão no azeite de oliva, óleos de canola e de amendoim, oleaginosas (nozes, amêndoas, castanhas etc.), frutos como o abacate, açaí, tucumã e buriti.

As descobertas corroboram estudo similar de 2015 e publicado no periódico científico Journal of Nutritional Biochemistry.

Este estudo prévio forneceu a primeira indicação de que os ácidos graxos PUFA tornaram as cobaias preguiçosas.

“Os dados são extremamente significativos”, disse o Dr. Ghosh ao site EurekAlert.

“Ninguém fez essa conexão e é hora de uma intervenção”.

“E se você está começando um programa de exercícios sem observar as gorduras que consome, especialmente PUFA, ou muda a dieta ou está condenado a falhar”.

Este texto foi inspirado em matéria publicada no site EurekAlertleia na íntegra aqui (em inglês).

Para fazer mudanças em sua dieta baseadas nesta notícia, sugiro que consulte seu médico.