Sushi de carteirinha

Sushi de carteirinha

Na hora de sair para comer as iguarias da culinária japonesa, antes de pedir o cardápio, você poderá exigir a carteirinha. Governo japonês cria certificação que recomenda restaurantes em todo o mundo como seguidores dos valores de sua gastronomia ancestral. 

Leia mais:

O futuro está na mesa – Comer com a família é o melhor investimento
Dieta da vovó – Evite o que sua avó não lhe serviria

Seja a criatividade dos chefs ou a disponibilidade de ingredientes, não há nada mais difícil de encontrar na culinária universal que coerência.

Por isso, vemos as receitas feitas de modo diferente como bem-vindo improviso.

Entretanto, esta liberdade na culinária étnica de povos tradicionais, como a cozinha japonesa, incomoda sobretudo aos puristas.

É para orientar o público mais exigente que o Ministério da Agricultura e Pesca do governo japonês criou uma certificação que recomenda restaurantes como seguidores do “washoku”, o conjunto de valores que rege a cozinha do Japão.

Desde a escolha dos ingredientes e temperos até os métodos de preparo e consumo, o “washoku” preza pela sazonalidade dos alimentos e as qualidades de cada estação do ano.

Em 2013, o “washoku” foi reconhecido pela UNESCO como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.

Além da culinária japonesa, a culinária francesa, mexicana e mediterrânea também já receberam tal título.

Nos locais identificados com a credencial, em qualquer lugar do mundo, você sabe que encontrará os pratos feitos da maneira como se deve, para comer de olhos fechados.

O conceito é como a ideia da sigla DOC (Denominação de Origem Controlada), só que aplicado ao preparo dos alimentos, e não às matérias-primas.

O sistema de certificação voluntária visa ajudar a eliminar erros comumente feitas por chefs estrangeiros – do mau uso de peixe cru, a baixos padrões de higiene, à maneira cerimonial em que o alimento deve ser apresentado aos clientes.

Por exemplo, um erro comum é manusear em excesso os peixes, o que provoca um aumento da temperatura do pescado.

Outra é o uso de ferramentas de cozinha, como facas e tábuas de corte, de maneira incorreta.

Muitas vezes, o caldo de peixe (dashi) é cozido por tempo demais, o que faz com que perca seu sabor característico.

A exigência visa garantir que a experiência gastronômica seja perfeita, o que, em última análise, envolve a manutenção da boa imagem da nação japonesa.

A preocupação é mais que válida.

Existem hoje mais de 89.000 restaurantes japoneses que operam fora do Japão. Só nos Estados Unidos estão aproximadamente 22 mil deles, capazes de lançar “novidades” como o burrito-sushi.

Como sou fã da comida japonesa, acho a ideia ótima e já aguardo a definição dos primeiros estabelecimentos credenciados para fazer minhas visitas.

Tags: , , , , , ,