Porque o estresse engorda

estresse

Estudo do Monell Chemical Senses Center revela como os receptores do hormônio do estresse nas papilas gustativas podem ajudar a explicar o apetite emocional. Assim entendemos melhor os distúrbios que nos fazem engordar.

Leia mais:

O emocional na balança – Cuidar da boa forma passa por cuidar do astral
Medida da real beleza – O que acontece quando trocamos números por elogios

Sabemos que o estresse influencia muito as escolhas alimentares.

É este mecanismo que chamamos de apetite emocional.

A tentativa de suprimir os sentimentos negativos leva a um exagero nos alimentos ricos em calorias, doces e gordurosos.

Isso funciona por um tempo.

Mas logo entramos em um círculo vicioso.

O resultado é que continuamos estressadas.

E ainda mais, graças ao peso extra adquirido.

Agora, um novo estudo revela porque isso acontece.

A pesquisa foi feita pelo Monell Chemical Senses Center (Estados Unidos).

Nela, foram identificados receptores ativados pelo estresse “escondidos” entre as papilas gustativas.

Especificamente entre as células Tas1r3, que são especificamente sensíveis aos sabores doces e umami.

Aparentemente, o estresse pode aumentar a secreção de hormônios chamados  glicocorticoides (GCs).

Esses hormônios ativam os receptores GC localizados nas células do corpo.

Os hormônios GC se ligam aos receptores dentro de suas células-alvo.

Isso ativa os receptores, fazendo com que se movam para o núcleo celular onde influencia na assimilação de proteínas e a expressão genética.

Em testes com cobaias, os animais estressados tinham 77% maior nível de receptores GC entre as papilas gustativas.

A ativação dos receptores GC influencia assim as preferências de paladar.

“O sabor fornece uma de nossas avaliações iniciais de alimentos potenciais”.

A explicação é de um dos autores, Dr. Parker.

“Se esse sentido é afetado por alterações hormonais relacionadas ao estresse, nossa interação alimentar também será alterada”.

Neste sentido, os sabores doces são particularmente afetados.

A descoberta pode ajudar a descobrir “atalhos” moleculares para influenciar nas escolhas alimentares.

O estudo foi publicado no periódico científico Neuroscience Letters.

Tags: , , ,