Quando o brócolis é mais gostoso

brocolis

Estudo revela por que preferimos batatas fritas aos brócolis ao analisar, com modelos computadorizados, como a genética e a saliva podem mudar o gosto dos alimentos.

Leia mais:

O futuro está na mesa – Comer com a família é o melhor investimento
Dieta da vovó – Evite o que sua avó não lhe serviria

A maioria das pessoas encara um cardápio decidida a fazer as melhores escolhas.

Mas é quando o garçom anota os pedidos que vemos outra realidade.

Ao invés da consciência, a tendência é fazermos escolhas baseadas no gosto da comida.

Normalmente, quanto mais açúcar, sal ou gordura (ou tudo junto), mais favorecemos a escolha.

Simples assim?

Nem tanto.

A maneira como mastigamos o alimento, e como ele se mistura à saliva e entra em contato com a língua tem um grande impacto no gosto que sentimos.

Comer é um processo complexo e varia de pessoa a pessoa, e até recentemente havia dificuldade em aferir estas variáveis.

Um recente estudo está ajudando.

A pesquisa foi feita pelo Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation (CSIRO).

Nela, os cientistas construíram um modelo computacional que reproduz a mastigação humana.

O programa foi baseado em dados de como pessoas de verdade mastigam diferentes alimentos.

Ele mostra como os alimentos são partidos e como componentes como açúcar e sal são transportados aos receptores do paladar.

O experimento revelou como a genética e a saliva podem alterar o gosto percebido da comida.

Por exemplo, a presença ou ausência de um gene envolvido no aroma determina se um indivíduo é sensível a androstenona.

Esta é uma molécula que gera um gosto ruim quando se come carne de porcos machos.

A sensitividade à androstenona é maior em populações asiáticas.

Outros genes influenciam como percebemos o sabor amargo de vegetais como o brócolis, causado pelo composto PROP (6-n-propiltiouracil).

Pessoas com receptor TAS2R38 para sabores amargos são capazes de detectar o composto, de maneira mais ou menos intensa.

Isso explica porque há quem adore ou deteste certas escolhas, como o coentro – veja mais aqui.

Com kits que detectam a predisposição genética de cada um, os cientistas esperam identificar quem tem o receptor TAS2R38.

O objetivo é criar dietas que identifiquem o que gostamos de comer dentre as melhores escolhas.

Quanto à saliva, ela contém enzimas chamadas amilase, que quebra amido em açúcar.

Há também outras que agem sobre a gordura e proteína.

A composição da saliva de uma pessoa não é igual a outra.

E ela muda também ao longo do dia, influenciada pelo que comemos, se praticamos exercícios, pelo humor e até se é noite ou dia.

As bactérias que vivem na boca, parte do microbioma, também exercem influência.

Por exemplo, elas mudam o sabor dos alimentos ao aumentar a produção de moléculas que criam experiências do paladar.

A pesquisa das preferências alimentares individuais (ainda que sejam fruto de genética, saliva ou a maneira como se mastiga) pode um dia levar a produtores a oferecer opções mais saudáveis.

Resumindo: se sua comida não agradar a uma pessoa, pode ser culpa da genética.

Mas se o almoço de domingo servido à família sobrar na panela, é possível dizer que a receita desandou.

Ou que sua culinária precisa de aperfeiçoamento.

Confira vídeo com exemplo do experimento conduzido.

Tags: , , , , ,