Os truques simples da comida rápida

Os truques simples da comida rápida

Sabe de nada, inocente. Aquela gula incontrolável que faz uma simples batatinha virar um combo com sanduíche e refrigerante na sua frente não é apenas impulso. Confira os truques que as redes de fast food usam para fazer comermos mais.

Leia mais:

Sensualizando a comida – A indecência dos pratos que provocam culpa
Realidade nada virtual – A diferença entre a publicidade e a realidade

Tenha certeza de que absolutamente nada está fora do lugar. As grandes marcas de lanches rápidos são ligeiras em adotar recursos de comunicação e truques sutis para fisgar os potenciais consumidores de jeito.

Quanto à comunicação, não se limitam ao que vemos escritos nos cartazes. Existe todo um discurso não-verbal exercitado nas cores do ambiente, na apresentação dos alimentos e até na gentileza forçada dos atendentes. Confira quais são as práticas mais comuns para tentar evitar a armadilha.

1 – Cores

Na teoria das cores, o pigmento vermelho aparece como indicado a provocar apetite. Sua percepção eleva nossa pressão arterial e os batimentos cardíacos. É por isso que está presente, acompanhado de variações de laranja, amarelo e até rosa, mesmo por um pingo que seja, na pintura, nos guardanapos, decoração e até nas embalagens de comida.

2 – Aroma

Não há incentivo maior ao paladar que o aroma. Por esta razão, não há o interesse em abafar os vapores da grelha, muito pelo contrário. Este recurso é dos mais eficazes em fazer-nos aumentar o pedido. Esperar pelo delivery e dirigir-se ao drive thru podem proteger você ao menos desta tentação aos sentidos.

3 –  “Food porn”

Com já vimos, a expressão food porn, que significa literalmente “comida pornô”, tem a ver com a indecência dos pratos que provocam culpa. Como imagens valem mais que palavras, fotos de sanduíches que aparecem pringando e brilhando parecem gemer de prazer. Neste caso, a ilusão dura até você fazer o pedido, já que muitas vezes o que entregam não tem nada a ver com o que anunciam.

4 – Música

Um estudo da Universidade Cornell encontrou evidências de que músicas calmas, como jazz e bossa nova, até mantém as pessoas mais tempo nos restaurantes, mas também as faz comer 18% menos. Por isso, lanchonetes colocam para “bombar” músicas bem mais animadas, o que faz com que os consumidores terminem mais rápido a refeição, liberando o lugar para o próximo cliente.

5 – Promoções

Um combo sempre é mais barato que comprar os itens separados. E não é generosidade. Eles fazem com que seja mais barato comprar “refeições” do que itens avulsos. Os consumidores pensam que estão lucrando, enquanto o restaurante faz a mercadoria circular.

Tags: , , , , ,