O sentimento do vácuo

o-sentimento-do-vacuo

Você manda a mensagem, vê que foi lida e nada. Um dos sentimentos mais angustiantes é ser deixado no vácuo. Tanto que novo estudo revela que é melhor ouvir um “não” do que ficar sem resposta.

Leia mais:

É hora de acordar – Aulas mais tarde melhoram desempenho de alunos
Bêbada de sono – Dormir menos equivale a tomar seis latas de cerveja

Depois de uma exclusão social, um mínimo de atenção é suficiente para reduzir as emoções negativas.

E valem até mesmo a atenção menos carinhosa.

Segundo um novo estudo, receber a rejeição ou comentários ruins é melhor do que ser ignorado.

A pesquisa foi feita em parceria entre as universidades de Basel (Suíça) e Purdue (Estados Unidos).

Os cientistas dizem que a descoberta tem implicações para a comunicação com candidatos em processos de seleção.

A rejeição, que é comparável à exclusão social, suscita emoções negativas naqueles que não foram aprovados.

Mas podemos ver em experiências pessoais o mesmo comportamento.

A verdade é que somos muito sensíveis ao menor sinal de exclusão social.

Pois isso coloca em risco necessidades humanas fundamentais, como as de pertencimento e autoestima.

Ele também ameaça o sentimento de ser significativo para os outros.

Embora as pessoas reajam de maneira rápida e extremamente sensivelmente à exclusão, elas também são influenciadas por sinais de reintegração e atenção.

E não importa se a atenção que recebem é positiva ou negativa.

“Para reduzir o estresse do processo, gerentes de RH e, universidades devem dar aos candidatos rejeitados um mínimo de atenção”.

A declaração é de um dos autores, Dra. Selma Rudert.

“A negativa pode vir através de uma carta ou e-mail, por exemplo”.

Mesmo quando se trata de crítica justificada no local de trabalho, os funcionários podem ficar mais satisfeitos com um feedback negativo.

Mais do que quando não recebem nenhum feedback.

Se for o caso, responda com um “não”.

A rejeição social, expressada pelo silêncio (o “vácuo”) pode ter consequências psicológicas tão negativas como as de uma agressão ou bullying.

O estudo foi publicado no periódico científico Personality and Social Psychology Bulletin.

Tags: , , , , ,