Fotos do que não aconteceu

fotos-do-que-nao-aconteceu

Com as fotos que o Instagram não quer que você veja, livro reúne as imagens banidas pela rede social. Sob ponto de vista voyeur, uma obra que questiona a liberdade na internet. E faz pensar o policiamento sobre a imagem feminina.

Leia mais:

Internet ajuda ou prejudica? – Os efeitos da amnésia digital
Você, robô – Estamos nos comportando como iDiots

Como um território virgem, tudo começou sem censura.

E países que sempre exerceram controle sobre as comunicações foram criticados por estender a vigilância ao universo online.

Mas a liberdade oferecida aos fãs de cães da raça Yorkshire Terrier foi a mesma proporcionada a pornógrafos e grupos terroristas.

Por este motivo, foi inevitável para que as redes sociais criarem regras do que pode ou não aparecer em nossas timelines.

As diretrizes do Instagram são claras.

A princípio, será removida toda postagem que seja “violenta, exiba nudez total ou parcial, discriminatória, ilegal, infratora, que promova o ódio, pornográfica ou sexualmente sugestiva”.

Entretanto, fica no ar a questão de qual seja o limite.

Algumas fotos constituem clara violação dessas regras – nudez frontal completa, por exemplo.

Mas muitas outras são menos óbvias, como uma mulher de hijab que expõe a orelha no minuto em que vai atender ao celular.

O problema é que, em quase todas ocasiões, o mal entendido envolve o corpo feminino.

Este é o aspecto que politiza o lançamento de um livro polêmico.

Seu título é Pics or It Didn’t Happen: Images Banned From Instagram.

A obra foi feita a partir de uma coletânea de imagens banidas pelo Instagram.

O trabalho leva a curadoria das artistas Arvida Byström e Molly Soda.

Tudo começou através de um chamamento em suas rede sociais, para que as pessoas enviassem fotos próprias que houvessem sido deletadas.

Como se imagina, as imagens podem chocar.

O livro apresenta uma ampla gama de assuntos, desde a imagem do corpo e relações sexuais até a menstruação e fotos “nudes”.

A validade é o registro de algo efêmero, mas essencial para a compreensão de nosso tempo.

E também destacar o debate em torno das restrições e expectativas dos corpos das mulheres.

O livro será lançado em abril – ainda sem previsão no Brasil.

Mas os mais vouyers e estudiosos do fenômeno já podem entrar na lista de espera.

O site da Amazon já organiza a pré-venda online – clique aqui.

Veja a seguir algumas das imagens do livro divulgadas.

fotos1

fotos2

fotos3

fotos4

Tags: , , , ,