Explicação de um desatino

Boca nervosa? Estudo da Universidade da Flórida (Estados Unidos) explica porque recorremos aos snacks salgados quando o estresse toma conta.  Leia mais: O componente emocional na balança – Cuidar da…

Tempo de leitura: 4 min.

Boca nervosa? Estudo da Universidade da Flórida (Estados Unidos) explica porque recorremos aos snacks salgados quando o estresse toma conta. 

Leia mais:

O componente emocional na balança – Cuidar da boa forma passa por cuidar do astral
A medida da real beleza – O que acontece quando trocamos números por elogios

Em uma reação biológica, quando o estresse nos ataca, surge o desejo de comer algo salgado.

Segundo nova pesquisa, 61% das pessoas admitiram recorrer aos snacks quando a tensão sobe.

O trabalho foi feito pelo instituto Mintel.

Mas, apesar dos gostos pessoais, o que nos leva ao apetite por algo salgado, e não doce?

A Universidade da Flórida sugere que consumir sal ajuda a reduzir o cortisol.

Exatamente o chamado hormônio do estresse.

E não é preciso muito.

Segundo um dos autores, Eric Krause, basta subir o nível de sódio no corpo em 1% ou 2% para suprimir sua produção.

Um pacote pequeno de batatas chips pode dar conta do recado.

E não é apenas o cortisol que é reduzido.

Por outro lado, o sal estimula a produção de oxitocina, hormônio associado a sensações de prazer.

O problema é o que vem junto.

A maioria das opções salgadas tendem a carregar nas gorduras, inclusive trans, e calorias.

Estamos falando dos snacks, como amendoins e batatas fritas.

Para aliviar o estresse, mas não sobrecarregar a balança, experimente nozes, castanhas ou avelãs.

Essas oleaginosas são carregadas de gorduras monoinsaturadas.

Estas gorduras “varrem” as artérias as moléculas de colesterol e protegem o coração.

Você também pode salpicar flor de sal em fatias de pepino, cenoura ou tomate para saciar a vontade.

A flor de sal tem menos sódio e mais minerais que outros tipos de sal.

Mas a regra da moderação continua valendo.

Atente para manter o consumo diário de sódio em até 2.300 miligramas (mg) por dia.

Para hipertensos, o limite é 1.500 mg/dia.

Gostou desse artigo? compartilhe
Você em primeiro lugar

Junte-se a mais de 100,000 pessoas que recebem conteúdos semanais por e-mail.

Lucilia Diniz desmistifica o que significa viver bem a vida, por dentro e por fora.

Digite um endereço de e-mail válido.
COMPARTILHE ESTE POST
Instagram
YouTube
LinkedIn
Confira também