A doce armadilha da frutose

Ao temer os males do açúcar, parece que o maior inimigo não é bem a glicose. Estudo da University of Southern California revela que maior ameaça à saúde e à…

Tempo de leitura: 4 min.

Ao temer os males do açúcar, parece que o maior inimigo não é bem a glicose. Estudo da University of Southern California revela que maior ameaça à saúde e à balança vem da frutose. Com ela, sai a saciedade e entra o desejo de comer mais.

Leia mais:

Maldição do passado – Evolução explica nossa atração por doces
Frutose – Descascando o lado amargo do açúcar

Segundo estudo divulgado no encontro anual do Colégio Americano de Neuropsicofarmacologia, o cérebro responde de maneira diferente à ingestão de frutose que dos outros açúcares, como a glicose.

A frutose amplifica o sistema de recompensa do cérebro e afeta o hipotálamo, provocando desejo por mais alimento. O hipotálamo controla sentimentos de fome, sede e outros relacionados ao processo metabólico.

Diante da glicose, o mesmo circuito cerebral funciona ao contrário, sinalizando que estamos saciados após comer um alimento que traga sua presença.

Para quem luta contra a balança, esta diferença é bastante significativa.

Tecnicamente, existem três tipos de açúcares simples: glicose, frutose e galactose, que não é adicionada aos alimentos processados por não ser tão doce quanto os demais.

A glicose é a fonte primária de energia do corpo humano e é geralmente produzida ao serem quebrados pela digestão os carboidratos complexos.

Já quando falamos em frutose, o nome pode vir a enganar os que lêem apenas as primeiras linhas.

Este tipo de açúcar é derivado tanto das frutas como do xarope de milho, que contém frutose concentrada.

O xarope de milho é usado na indústria culinária para transformar a textura do alimento mais leve, aumentar volume, prevenir cristalização do açúcar e salientar sabor.

Nos Estados Unidos, por exemplo, uma pessoa consome em média 27 quilos deste tipo de açúcar por ano.

Mas tudo isso não deve ser um argumento para evitar comer frutas. Pelo contrário, alimentos naturais são fundamentais para o aporte de vitaminas e fibras diversificadas e de qualidade.

O que precisa ser controlado é o consumo de comida processada. De chocolates, refrigerantes a catchup, quase tudo nas prateleiras traz a susbtância. Durante as compras, observe os rótulos para escapar da doce armadilha do açúcar escondido.

Gostou desse artigo? compartilhe
Você em primeiro lugar

Junte-se a mais de 100,000 pessoas que recebem conteúdos semanais por e-mail.

Lucilia Diniz desmistifica o que significa viver bem a vida, por dentro e por fora.

Digite um endereço de e-mail válido.
COMPARTILHE ESTE POST
Instagram
YouTube
LinkedIn
Confira também