Dobrando a meta

dobrando-a-meta

Já é difícil cumprir a meta de cinco porções ao dia. Agora, novo estudo afirma que, para garantir a saúde pelos nutrientes, será preciso dobrar a meta de consumo de frutas e verduras.

Leia mais:

O melhor amigo da salada – Veja como absorver melhor os nutrientes dos vegetais
Aprenda a fazer a salada perfeita - Um truque simples pode fazer toda a diferença

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda comer cinco porções por dia.

E vale qualquer combinação de frutas, hortaliças e legumes dentro deste limite.

Se já não era fácil seguir a recomendação, um novo estudo acaba de dobrar a meta.

Aparentemente, são necessárias 10 porções de vegetais para reduzir riscos de males cardiovasculares e câncer.

A pesquisa foi feita pelo Imperial College London (Inglaterra).

Nela, os cientistas analisaram dados de 95 estudos sobre a ingestão de frutas e vegetais.

A equipe confirmou que as cinco porções diárias recomendadas reduzem o risco de doenças.

Mas descobriu que o maior benefício veio ao ingerir 800 gramas por dia (considerando 80 g por porção).

O consumo de 10 porções por dia foi associado a um risco reduzido de 24% de doença cardíaca.

Um risco 33% menor de acidente vascular cerebral.

28% de risco reduzido de doença cardiovascular.

13% menos risco de câncer.

E uma redução de 31% de morte prematura.

Se todos no planeta seguissem a recomendação, 7,8 milhões de mortes prematuras poderiam ser evitadas.

“Os resultados sugerem que, embora cinco porções de frutas e legumes seja bom, 10 por dia é ainda melhor”.

A declaração é de um dos autores, Dr. Dagfinn Aune.

Se comer mais não for possível, não desanime.

No mesmo estudo foi constatado que mesmo menores ingestões apresentaram benefícios.

Duas porções e meia por dia podem garantir 16% menos risco de doença cardíaca e 4% menos risco de câncer.

E uma redução de 15% no risco de morte prematura.

Os cientistas também determinaram quais as melhores escolhas da feira.

Entre elas estão maçãs e peras, frutas cítricas e folhas verdes (espinafre, alface e chicória).

E também vegetais crucíferos como brócolis, repolho e couve-flor.

O estudo foi publicado no periódico científico International Journal of Epidemiology.

Tags: , , ,