Almoço nu

almoco-nu

Os códigos de vestimenta nos melhores endereços de Paris são rigorosos. Até não serem mais, muito pelo contrário. A Cidade Luz ganha restaurante onde clientes comem nus.

Leia mais:

Crostini de salmão – Decifrei a receita mais cobiçada de NYC para você
Vamos para o Japão – Embarque num passeio pela capital do Oriente

Sempre se diz que não existe almoço grátis.

Mas, quem trouxe a carteira?

Esta é uma das questões que se apresentam quando se frequenta o O’naturel.

Trata-se do recém-aberto primeiro restaurante naturista de Paris.

Localizado no 12º arrondissement, margem direita do Sena, a casa oferece clássicos franceses.

A aposta em um cardápio tão conservador parece um contrassenso.

Afinal, as texturas de escargot e foie gras não parecem combinar com a pele nua.

Nem com o caráter libertário da iniciativa.

Abajur cor de carne?

Ao vivo, o ambiente não corresponde a juízos preconcebidos.

A decoração é sóbria, com as paredes claras e o teto escuro.

Por fora, a fachada é de vidro, com uma cortina que veda olhares curiosos.

A partir daí, os clientes passam na chapelaria para guardar a roupa.

E são conduzidos pela hostess até uma das 40 mesas.

Por motivos práticos, o staff não segue o dress code.

O menu completo custa €49 (cerca de 180 reais).

Fiquei curiosa quanto a higiene dos assentos e até a temperatura ambiente.

Ainda mais quanto às selfies que, neste caso, seriam “nudes”.

Imprescindível: jamais dispense o guardanapo no colo.

Como motivo, basta lembrar dos itens do cardápio que mencionei.

Nada disso parece espantar o público-alvo, os naturistas, nem tampouco os curiosos.

Se você está em um ou outro destes grupos, mande o táxi até a rue Gravelle, nº 9.

Para não correr risco, é melhor reservar antes – clique aqui.

restaurante-naturista

O’naturel: primeiro restaurante naturista de Paris

Tags: , , , , ,