Álcool ajuda a memória?

alcool-melhora-a-memoria

Amnésia alcoólica? O risco é lembrar de tudo que fez (de errado) na balada. Estudo europeu revela como um drink, quem diria, pode até melhorar a memória.

Leia mais:

A conta da festa – Viver na balada cobra seu alto preço
Happy hour prejudica absorção de vitaminas – Veja como isso acontece

A manhã seguinte a uma noitada pode vir com uma abençoada amnésia.

Ou bem o contrário.

Segundo um novo estudo, em algumas ocasiões o álcool pode ter um efeito benéfico na memória.

A pesquisa foi feita Crime Survey for England and Wales.

Esta organização analisa estatísticas sobre crimes na Inglaterra e País de Gales.

Dados apontam que, no Reino Unido, 70% dos incidentes violentos ocorridos entre 2013-14 foram relacionados ao consumo de álcool.

93% deles ocorreram em pubs, bares e clubes onde o álcool é vendido.

Por isso, é provável que muitas testemunhas e vítimas estavam com a consciência alterada quando testemunharam um crime.

Mas seriam as testemunhas embriagadas menos confiáveis que as sóbrias?

O estudo mostrou que, se o álcool for consumido depois de testemunhar um crime, a bebida pode proteger a memória de informações enganosas.

Para chegar a esta conclusão, foi feito um teste com 83 voluntários.

Todos assistiram a um vídeo de um roubo, onde um casal rouba jóias, dinheiro e um laptop de uma casa.

Depois de assistir ao vídeo, os participantes foram divididos em três grupos.

Os membros do primeiro grupo receberam álcool e estavam cientes de que tinham recebido.

O segundo grupo foi informado que beberia cerveja sem álcool, mas na verdade consumiram a versão tradicional.

A expectativa era garantir que seria o efeito do álcool em si, e não as expectativas sobre isso, que causariam qualquer efeito.

O terceiro grupo não recebeu álcool e sabia que eles não estava recebendo.

Em nenhum caso foi ultrapassado o limite de 80 mg de álcool por 100 ml de sangue.

Em seguida, os participantes foram postos e contato com algumas informações falsas sobre o vídeo do crime.

Por exemplo, sugeriu-se que o macacão da vítima era verde, em vez de azul.

E que o cabelo do ladrão era castanho, e não preto.

No dia seguinte, todos retornaram ao laboratório.

Definitivamente sóbrios, sua memória sobre o crime foi testada.

Ainda que pesquisas anteriores tenham apontado que o álcool prejudica a memória e torna as pessoas sugestionáveis, o resultado foi curioso.

O estudo descobriu que aqueles que não beberam álcool foram mais propensos a se lembrar de informações falsas.

Ainda que soubessem se consumiram álcool ou não.

O motivo?

Os pesquisadores acreditam que o álcool bloqueia a entrada de novas informações, incluindo a desinformação.

Por isso, é menos provável que tenha um impacto negativo sobre o que foi testemunhado.

Mais estudos são necessários, para determinar se o mesmo acontece com outras quantidades de álcool.

Mas é interessante ver como podemos nos enganar, dupla ou triplamente.

Tudo depende do tamanho da dose.

Como ninguém planeja envolver-se em um crime, é melhor manter a moderação.

O estudo foi publicado no periódico científico Psycopharmacology.

Tags: , , ,